Na antiga Grécia, as praças eram espaços públicos onde se debatiam ideias, praticavam a democracia e era decidido os rumos da cidade. Já na Idade Média, elas passaram a compor um cenário mais importante, pois eram os locais onde se desenvolviam os acontecimentos da vida coletiva, iniciando, assim, o contexto urbano e o surgimento das grandes cidades. No entanto, o sentido de praça pública ruiu-se com o tempo e perdeu algumas características. Mas abriga um pouco de história e traz o convívio social aos moradores e turistas.

bichos2
As estátuas da Praça dos Bichos de Pedra

Lugar pouco conhecido pelos cariocas, a Praça dos Bichos de Pedra, na Tijuca, Zona Norte, é um espaço inusitado. No local, há estátuas de dinossauros, vacas, elefantes, pirâmides, rinocerontes; esculturas de barcos, baleias e jacarés. Foi idealizada e construída pelo professor Paulo de Tarso, na década de 1970. As esculturas rígidas de argamassa e ferro em cores vibrantes executadas pelas mãos do autor formam um conjunto de arte Naif, reconhecidos pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), da cidade do Rio de Janeiro. A praça é um espaço lúdico, aos pés da Floresta da Tijuca, onde a garotada tem encontro marcado com a natureza e a imaginação. Onde fica? Na Rua Saboia Lima, bem pertinho das ruas Bom Pastor e José Higino. Não tem erro!

saens pena
A Praça Saens Peña vista do alto: beleza

Ainda passeando pela Tijuca, a Praça Saens Peña é parada obrigatória. Considerada uma das mais importantes da Zona Norte, o local onde hoje existe a praça já foi uma zona rural, numa época em que a região era composta por chácaras e fazendas de café. Anos depois, foi instalada na área uma fábrica de chitas – com isso, o local ficou conhecido como Largo da Fábrica de Chitas. Com o tempo, a praça se tornou um ponto de encontro e de atividades culturais, com apresentação de teatros de rua, bandas e cinema. Hoje, também dá lugar a uma feirinha de artesanato – tombada como bem de natureza imaterial da cidade – que funciona há mais de 30 anos.

praca floriano
Um pouco da história do Brasil na Praça Floriano

Palco das manifestações políticas mais importantes da história do Brasil, a Praça Floriano – mais conhecida como Cinelândia – no Centro, abriga cultura e diversão. Localizada no coração da cidade, a praça tem como vizinhos o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional, a Câmara dos Vereadores, o Museu Nacional de Belas Artes, o Passeio Público, o cinema Odeon e uma infinidade de bares e restaurantes. Inaugurada logo após a inauguração da então Avenida Central (hoje Avenida Rio Branco), a Praça Floriano, que leva o nome do marechal Floriano Peixoto, vice-presidente da República no governo de Deodoro da Fonseca, teve seu projeto paisagístico alterado no final dos anos 1970, quando as obras de construção da estação Cinelândia do metrô obrigaram a instalação de grandes saídas de ar. Na ocasião, foi demolido o Palácio Monroe, antiga sede do Senado Federal.

praca paris
O charme europeu da Praça Paris

Construída em 1926 com projeto do urbanista francês Alfred Agache durante a gestão do prefeito Antônio Prado Júnior – quando o Rio ainda era a capital do país -, a Praça Paris, na Glória, é a queridinha dos cariocas. Com um estilo totalmente europeu, foi erguida sobre um aterro e concebida como uma joia da belle époque. Suas galerias têm traçado geométrico e fazem alusão aos projetos de jardins franceses. O local tem ornamentos reproduzidos dos originais no jardim do Palácio de Versalhes, como os golfinhos do chafariz e as esculturas em mármore carrara que representam as estações do ano. O local, bastante procurado por desportistas, fica na Avenida Augusto Severo, bem pertinho do metrô.

Perto dali, o Paço Imperial, na Praça 15 de Novembro, remete à história do Brasil. O edifício colonial, construído no século XVIII, serviu de residência para os governadores da Capitania do Rio de Janeiro. Tombado pelo IPHAN, hoje é um centro cultural onde são realizadas mostras de pintura, fotografia, escultura, cinema, música e biblioteca. Onde fica? Na Praça Quinze de Novembro, 48, Centro.

Quer respirar cultura? Então vamos conhecer as praças da cidade!