Embora mineiro, o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902–1987) passou parte significativa de sua vida no Rio de Janeiro, morando na altura do Posto 6, em Copacabana. Também a escritora Clarice Lispector (1920-1977), que nasceu na Ucrânia e cresceu no Recife, chegou à capital fluminense aos 14 anos e, só no Leme, morou por 12 anos.

É com Drummond e Clarice, escritores brasileiros dos mais importantes do século 20, que escolhemos iniciar o passeio do Rio Book Guide pelas estátuas em tamanho natural espalhadas pela cidade, em homenagem a vários artistas do país.

Drummond pop 
A estátua do poeta foi inaugurada em 2002 em comemoração ao seu centenário de nascimento e é um dos pontos turísticos mais visitados do Rio. Foi feita pelo artista plástico mineiro Léo Santana, natural da mesma cidade de Drummond, Itabira, e é a reprodução de uma foto tirada em 1993 pelo fotógrafo Rogério Reis, que mostrava o escritor sentado em um dos bancos da orla da Praia de Copacabana, na altura do Posto 6.

Drummond
A obra e a inspiração: foto que inspirou a estátua

Ao contrário do que possa parecer, Drummond não costumava caminhar pela orla de Copa, apesar de morar no bairro; andava, sim, mas em direção ao Leblon. Outra curiosidade, mas essa um tanto triste, é que os óculos da estátua do poeta já foram furtados nove vezes desde a inauguração da obra.

Drummond óculos 2
Após furtos, o trabalhoso processo de solda dos óculos de Drummond

Assista ao vídeo com imagens da instalação e inauguração da estátua, e cenas que mostram como a figura de Drummond se popularizou com a iniciativa:



Clarice e seu cachorro, Ulisses
Iniciativa da professora de literatura Teresa Monteiro, biógrafa de Clarice, a estátua em homenagem à escritora, retratada com seu cachorro Ulisses, foi feita pelo artista plástico carioca Edgar Duvivier e inaugurada em maio de 2016, na mureta do Leme, próximo ao Posto 1.

Clarice e Duvivier
O artista e a obra: Duvivier e Clarice

Sem patrocínio, o escultor produziu 40 miniaturas de Clarice Lispector e seu Cão Ulisses, vendidas para admiradores da escritora para financiar a estátua maior. Em sua página pessoal no facebook, Duvivier mostra parte do laborioso processo de soldagem da estátua de Clarice .

As miniaturas feitas por Duvivier para financiar a estátua maior
As miniaturas feitas por Duvivier para financiar a estátua maior

Deparar com uma estátua em locais de acesso comum a todos (e não em pedestais, como se usava antigamente), além de divertido, é um convite para viajar no tempo e conhecer mais sobre o personagem retratado, e ainda um grande estímulo para explorar a cidade a pé. Que tal um fim de semana de estátua em estátua? Dá até para incluir as crianças, que vão adorar a brincadeira e ainda aprender muito.  Programão!