Por Laura Souza

Eles marcaram presença na história da música. Ou melhor, eles fizeram história na música. Cada um do seu jeito e seguindo seu estilo, possuem muito em comum. Ambos levavam fãs à loucura em seus shows, lançavam sucesso atrás de sucesso e possuem hits que até hoje são verdadeiros hinos. Além disso, os dois morreram muito cedo e deixaram um vazio que nunca será preenchido, pois não há outros como eles. Para homenagear, o Rio Book conta um pouco sobre as estátuas desses dois talentosos artistas. Vamos matar as saudades de Michael Jackson e Renato Russo?

O Rei do Pop

Em 1996, Michael Jackson surpreendeu o mundo todo gravando o clipe de “They Don’t Care About Us” no Pelourinho, em Salvador, e na Favela Santa Marta, no Rio de Janeiro. A música foi uma das mais polêmicas de toda sua carreira: considerada um hino contra as injustiças sociais, é diferente do estilo musical de Jackson. Além das batidas de reggae e hip hop, ainda contou com a participação do Olodum, grupo baiano que incorporou as conhecidas batucas e elementos do samba-reggae.

No morro Santa Marta, o clipe foi gravado em uma laje que ficou mundialmente famosa. É lá que, em 2010 – um ano após a morte de Michael –, foi colocada a estátua em bronze do cantor. Baseada em uma imagem do cartunista Ique, o Rei do Pop aparece em tamanho real e com o mesmo visual do clipe: a camisa do Olodum rasgada, calça jeans e óculos no estilo aviador.

Quem visita a laje para conhecer a estátua ganha de brinde uma belíssima vista para a Cidade Maravilhosa.

A estátua do Rei do Pop
A estátua do Rei do Pop

Renato Russo e a “Religião Urbana”

Mesmo após mais de 20 anos da morte de Renato Russo, suas músicas continuam com uma mensagem atual. O cantor e compositor que atingiu o auge da carreira como líder da banda Legião Urbana conseguia falar diretamente com o seu público, majoritariamente jovem, e estabeleceu uma forte relação com ele. Alguns fãs chegavam a declarar que Legião Urbana era, na verdade, uma “Religião Urbana”.

Renato Russo em ação no palco
Renato Russo em ação no palco

O carioca que morou na Ilha do Governador é sempre lembrado como uma personalidade de destaque da região. Além da lona cultural que leva seu nome, Renato ganhou em 2012 uma estátua em sua homenagem. Quem passa pela Estrada do Galeão, altura do número 2.275, pode ver a obra de Ique, que pesa 250 quilos e tem 1,75m, sobre um palco de granito de dois metros de diâmetro. Em seu blog, o artista fala da dificuldade que foi esculpir o cantor.

Ique retocando o bronze da estátua
Ique retocando o bronze da estátua

“Com o Renato Russo o trabalho foi particularmente mais difícil por conta do pouco registro fotográfico com qualidade técnica e resolução disponíveis, que me fornecessem informações anatômicas relevantes. Pro desafio ser ainda maior eu me permiti ousar um pouco mais não fazendo um retrato convencional. Depois de muito estudo das imagens e vídeos que tinha comigo, decidi que faria a fisionomia do astro pop enquanto interpretava suas canções. Que era o momento onde ele mostrava toda sua força, seu carisma e sua arte completamente. A escultura é, portanto, o registro dos traços, da emoção, do artista e gênio que era Renato Russo.”

A estátua do cantor
A estátua do cantor

O Rio Book concorda em gênero, número e grau com Ique quando ele diz que Renato Russo era um gênio. E o gênio foi muito bem representado pelas mãos do artista. A estátua de Renato segurando o microfone parece realmente estar no meio da performance de uma canção. Uma belíssima maneira de imortalizar um ícone como ele!