Quem ainda não foi à Fundação Eva Klabin, na Lagoa, agora tem mais um bom motivo para conhecer o local e fazer um longo e belo percurso pela história da arte: nos fins de semana, as visitas guiadas têm entrada gratuita desde o dia 1º de abril desse ano, e acontecem entre 14h e 18h, sem necessidade de agendamento.

Distribuídas pelos ambientes da casa-museu, estão 2.000 obras de arte, entre pinturas, esculturas, mobiliário e objetos de arte decorativa de várias culturas e antigas civilizações, do Egito Antigo ao século 19. As visitas guiadas permitem ao público ser acompanhado de educadores que apresentam os ambientes, a coleção e a história do lugar.

FOTO fundacao-eva-klabin

A Fundação também ainda abriga cursos, exposições e shows, entre outros eventos e atividades. Para saber mais, acesse: http://www.evaklabin.org.br/

SERVIÇO
Visitação guiada gratuita nos fins de semana da Eva Klabin
Local: Fundação Eva Klabin – Av. Epitácio Pessoa 2480, Lagoa
Horário: entre 14h e 18h
Contato: (21) 3202-8550 :: 8554 :: 8555

Você sabe quem foi Eva Klabin?
*
Mulher rica, requintada e transgressora, em suas frequentes viagens Eva passou a se dedicar à procura de obras de arte para ampliar sua coleção. Adquiriu peças em antiquários paulistas e cariocas, e também em reputadas casas de Roma, Paris, Londres, Zurique, Viena, Madri, Barcelona, e outras tantas arrematadas nos leilões de Buenos Aires, Londres e Nova Iorque. O fascínio pelo Oriente resultou em viagens ao Japão, China, Birmânia, Tailândia, Índia, Indonésia e Singapura, de onde trouxe raros e belos objetos.

Eva fez de sua casa e coleção o cenário ideal para recepcionar personalidades de grande expressão nacional e internacional, entre as quais o presidente Juscelino Kubitschek, o israelense Shimon Peres e os norte-americanos David Rockfeller e Henry Kissinger.

Sem herdeiros, Eva generosamente legou sua casa à cidade em que viveu. Em janeiro de 1990, ano anterior ao seu falecimento, ela viu concretizado o seu sonho de vida, quando a Fundação Eva Klabin passou a existir legalmente.

*(fonte: site Fundação Eva Klabin)