Amanhã (25/5) é uma rara oportunidade de assistir ao show de uma das artistas brasileiras mais talentosas da história da música popular brasileira. Com uma fértil, sólida e longa carreira – ela completa 50 anos de trajetória, em 2018 – a cantora, compositora, arranjadora e instrumentista Joyce Moreno se apresenta no Espaço Cultural do BNDES, Centro do Rio, com entrada grátis.

No repertório, canções próprias do novo álbum “Palavra e Som”, lançado no Japão no ano passado, além de obras de Tom Jobim e Baden Powell, personagens fundamentais na construção da carreira da artista.

O novo álbum de Joyce foi lançado no ano passado no Japão e chega ao Brasil, agora.
O novo álbum de Joyce foi lançado no ano passado no Japão e chega ao Brasil, agora.

Já faz algumas décadas que Joyce iniciou sua trilha internacional, com uma agenda repleta de shows pela Europa e Japão. Sua figura começou a ficar conhecida no exterior em 1975, quando substituiu o violonista Toquinho, ao lado de Vinícius de Moraes, numa turnê pela América Latina. As apresentações fizeram sucesso e ela foi convidada a participar dos shows do poeta pela Europa, já com Toquinho de volta ao grupo.

De lá para cá, foram 34 álbuns gravados, 2 DVDs individuais, além de compilações e participações e quatro indicações ao Grammy Latino. Mesmo para quem já conhece o trabalho de Joyce, vale tirar algum tempo para ler a cronologia de sua carreira e e passear por passagens importantes da MPB (disponível no site da artista).

SERVIÇO
Joyce Moreno lança “Palavra e Som” no BNDES
Com: Rodolfo Stroeter (baixo), Helio Alves (piano) e Tutty Moreno (bateria)
Dia/hora: quinta-feira, 25 de maio, às 19h
Local: Auditório do BNDES – Av. República do Chile, 100 – Centro – Tel: (21) 2172-7447
Ingressos: grátis, com retirada de senhas no local, uma hora antes do show

“(...) essa é a Joyce que vai dar o que falar: a Joyce que é toda musicalidade, que tem em alto grau o sentido das palavras e conhece o mistério de seu casamento com as notas. (...) E, além do mais, com aqueles olhos verdes e aquela graça toda... Pôxa, assim não vale..." – Vinícius de Moraes, 1968
“(…) essa é a Joyce que vai dar o que falar: a Joyce que é toda musicalidade, que tem em alto grau o sentido das palavras e conhece o mistério de seu casamento com as notas. (…) E, além do mais, com aqueles olhos verdes e aquela graça toda… Poxa, assim não vale…” – Vinícius de Moraes, 1968