UM PRESENTE DO RIO SUL PARA A CIDADE

Debruçado sobre Copacabana e Urca, o morro da Babilônia respira história e beleza. Testemunha da fundação do Rio, o morro repleto de mirantes maravilhosos e acessíveis passou décadas desmatado. Agora está recuperado e sinalizado, graças a um trabalho primoroso do Shopping RIOSUL, vizinho do morro, e de moradores locais. Difícil pensar em um presente melhor para celebrar os 450 anos da cidade à sua altura.

Babilonia0MT_9844

Para se chegar à trilha é preciso cruzar a comunidade do morro da Babilônia, onde os moradores convivem com uma vista privilegiada do oceano Atlântico.

Babilonia0MT_1536

CULTURA NO MORRO

O morro da Babilônia tem uma cultura tradicionalmente ligada à música e à alma carioca. E hoje, nas casas e nas paredes das vielas, pode-se ver e ouvir a expressão dos artistas da comunidade.

Babilonia0MT_1512

Ali o cineasta francês Marcel Camus filmou Orfeu Negro, em 1959.  O barraco mais antigo do Brasil, do Seu Tonico, serviu de locação para o filme. Foi construído, no alto do morro, em 1902, por seu avô vindo de Portugal. Nessa casa de pau a pique, nasceram nove filhos e mais de uma dezena de netos.

TONICO BARRACOSeu Tonico era criança na época da filmagem, mas ainda se lembra da movimentação de atores e câmeras em volta da sua casa. Hoje, de pé há mais de um século, o barraco pode transportar o visitante para outro tempo ou lugar.

REFLORESTAMENTO E PAISAGENS SURPREENDENTES

De acesso fácil, com placas instaladas pelo RIOSUL, a trilha oferece paisagens deslumbrantes já nos primeiros minutos de caminhada. São 23 placas, fruto de minucioso trabalho de pesquisa, com orientação, informações ambientais e dados históricos.

IMG_3536 (1)

 

Tabajara_Marcelo_ALves0MT_2119O trabalho de reflorestamento é coordenado pelo aposentado Marcelo Alves. Ele, que sempre sonhou em administrar um sítio, é o encarregado do projeto RIOSUL no morro São João, vizinho ao morro da Babilônia. Aos 75 anos, ele sobre e desce as trilhas com mudas, pás e regadores sorrindo e com um fôlego de dar inveja a muitos jovens.

Ao longo do caminho que serpenteia por cima dos bairros de Copacabana, Leme, Urca e Botafogo, os privilegiados visitantes são brindados a todo momento com ângulos surpreendentes de pontos turísticos famosos. Para melhorar, a trilha corta uma densa Mata Atlântica, repleta de pássaros, animais silvestres e ruínas que contam muito sobre a história da cidade. Lá em cima, a apoteose: uma visão inesquecível da enseada da Praia Vermelha. Para muitos, o cenário mais bonito da cidade.

Rio_SUl_4_ (1)

 GASTRONOMIA NO MORRO

Depois de percorrer a trilha o visitante tem diversas opções para matar a sede do corpo e do espírito nas vielas da comunidade.

bar do alto2

Bar do Alto: Ideal para drinques e petiscos emoldurados pela vista de Copacabana (Rua São Jorge, casa 4)

Jardim da Babilônia: Serve bolinhos criativos, como a “coxinha preta”, com massa e recheio à base de feijoada (Rua Santo Amaro, casa 4)
Bar do David: O mais conhecido e premiado bar de morro da cidade. Destaque para a feijoada de frutos do mar (Ladeira Ary Barroso, 66)
Churrasta: Festa que une churrasco e reggae todos os finais de semana (ao lado da Associação de Moradores)

O QUE VOCÊ PRECISA SABER

O shopping RIOSUL promove passeios gratuitos pela trilha, com guias treinados. Inscreva-se pelo site www.riosul.com.br/trilhababilonia.html
Onde é: A trilha se estende entre os morros da Babilônia, São João, Urubu e Leme.
Como é: A trilha tem 1.200 metros de extensão e para percorrê-la tranquilamente gasta-se pouco menos de duas horas. A caminhada é suave, sem obstáculos, e pode ser feita por crianças de no mínimo 6 anos.
O que levar: É importante que os visitantes sejam acompanhados por um guia e não se esqueçam de levar
– Calçados fechados e confortáveis
– Calças compridas
– Água
– Repelente
– Protetor solar
– Câmera fotográfica