Por Laura Souza

O Rio Book subiu a serra para trazer um pouco do clima de montanha de Itaipava para a Cidade Maravilhosa. E se encantou por um lugar chamado La Mesa. Inspirado no conceito dos puertas cerradas, antirrestaurantes ou underground restaurant, que são residências que abrem suas portas para refeições com reservas antecipadas, o La Mesa foi além. Cissa e Javy criaram o conceito de “Gastro Lar” para ressaltar a união do espaço familiar com o negócio.

O chef Javy Larroquet e a namorada Cissa Borges, escritora e idealizadora da websérie Soul Kitchens Project, contam que mesmo antes de abrir as portas de sua casa para o público, o coração do lar já era a cozinha e os amigos se juntavam em torno dela. “Gastro Lar” traduz o quanto a convivência em casa é pautada pela comida e celebra o ritual de compartilhar a mesa, brindar a vida e a gastronomia afetiva, que evoca memórias e emoções. Mais do que isso, é uma maneira de vivenciar a experiência do outro, fazer uma verdadeira imersão no cotidiano, nos hábitos, na rotina, na cultura. É o mistura perfeita entre afeto, emoção, beleza… e sabor, é claro!

javy e cissa

Cissa e Javy recebem os comensais para mais que uma refeição, uma experiência gastronômica de imersão cultural. E o ambiente é descontraído: cada um se serve, puxa a cadeira, conversa, escolhe a música. A cozinha é aberta: Javy prepara tudo na frente dos comensais e, às vezes, leva as panelas para a fogueira do jardim, elaborando um cardápio todo na brasa. Uma experiência agradável e divertida para ambos os lados.

la mesa gastrolar 2

O La Mesa só trabalha com reservas para que os ingredientes sejam sempre frescos e para garantir a harmonia da casa. Tudo é pensado nos mínimos detalhes para tornar o processo mais inteligente e sustentável: desde a escolha dos fornecedores e a rotina de compras até a dinâmica da cozinha.

Conversamos com a Cissa, que nos contou mais detalhes deliciosos sobre seu gastro lar. 

Rio Book: Como surgiu o La Mesa?

Cissa Borges: Eu e Javy, por razões diferentes, pausamos a correria da vida e das nossas profissões para nos reconectar com a natureza e com a gastronomia. Javy passou 6 meses em um sítio de produção orgânica que também é um ashram (Shiva Ashram Brasil) e eu fui pra lá conhecer alguns projetos porque estava pesquisando e escrevendo sobre novas formas de produzir e consumir comida. Nesse encontro na horta nos apaixonamos e pouco tempo depois fomos morar juntos. Pensando em caminhos que estavam em sintonia com o que acreditamos sobre "comer", começamos a pesquisar sobre novos modelos e nos inspirar nos chamados puertas cerradas. Fizemos eventos gastronômicos que foram testes para ver se teríamos público e como seria receber desconhecidos em casa. Funcionaram muito bem. Existe na serra um público cansado das opções convencionais e o Rio também foi descobrindo a gente.

la mesa gastrolar 3

Rio Book: Vocês recebem estrangeiros também? Podem contar alguma experiência?

Cissa Borges: Recebemos gente do mundo todo especialmente pela proximidade com o Rio e a proposta gastronômica chama atenção por envolver uma imersão cultural. Quem viaja quer isso, né?  Viver um pouco a realidade do lugar, interação humana, contato mais próximo e descontraído. Diferente de comer, pagar e ir embora, os estrangeiros têm a chance de conhecer sabores locais, têm acesso à livros de autores daqui, escutam vinis de música brasileira e puxam papos que viram uma bagagem muito mais valiosa. A comida é o fio condutor de uma troca de ideias.  Nesses dois anos passaram muitos franceses, ingleses, sírios, americanos e muitos turistas da América Latina. Lembro que recebemos alguns franceses justamente no mês em que a sobremesa era um petit gateau de chocolate branco com calda de limão galego. Eu e Javy falamos outras línguas e a comunicação fica fluida.

Rio Book: Como é abrir sua casa para estranhos em uma experiência de tanta intimidade?

Cissa Borges: Em contextos diferentes sempre fizemos isso. Javy assim que se formou tirou o clássico chapéu de chef e foi cozinhar pelo mundo morando com pessoas de nacionalidades diferentes que sempre recebiam amigos. Eu sou mineira e minha casa no Rio sempre foi o ponto de encontro dos amigos que também traziam novas pessoas. Temos uma paixão natural por conhecer gente nova e amamos casa cheia. Esse espírito já dilui muito o que outras pessoas achariam invasivo. A comunicação assertiva também ajuda, as pessoas vêm com as expectativas certas sobre a proposta e sobre nossa família o que evita desconfortos. Nesses dois anos passou muita gente incrível, incrível mesmo. Gente inspiradora que busca alternativas inspiradoras. As coisas se atraem.

la mesa gastrolar

Rio Book: A gastronomia costuma mexer muito com lembranças. Cheiros e sabores costumam trazer memórias de infância, principalmente em ambientes mais afetuosos. Isso acontece com os clientes do La Mesa?

Cissa Borges: Essa experiência afetiva acontece com todo mundo que vem aqui, sem exceção. Nossa cozinha tem influência latino americana e de produtos locais, mas é caseira. A cozinha não tem quatro paredes, então a sensação é daquela grande mesa que quase todo mundo tem na lembrança, onde as pessoas acompanhavam o preparo e teciam conversas. Nossa motivação é gerar encontros através da comida. Esse encontro se dá entre pessoas, memórias, afetos, paladares. Javy é curioso e investiga sempre as referências culinárias de quem vem ao gastro lar e daí surgem inspirações que ele leva para os menus. O gastro lar vive um processo criativo aberto entre quem cozinha e quem come, sem intermediários. Essa interação é vital pra gastronomia afetiva que se preocupa com a cadeia alimentar e com a atmosfera de comer. A sociedade moderna está perdendo o ritual da comida que é tão fundamental para as relações sociais, né? Quantas memórias boas temos da casa da avó ligadas à comida? E das conversas familiares animadas em torno da mesa? A comida é um patrimônio cultural e novos modelos de confraternização valorizam esse lugar especial do comer. Para 2018, também queremos alimentar essas vivências sensoriais incluindo música e artes plásticas. Temos muitos amigos que são artistas muito talentosos que vieram pra serra em busca de sossego e podem agregar à experiência. Já estamos com muitas ideias!

 

Gostou da ideia de comer bem e se sentir em casa com uma atmosfera deliciosa e afetiva? O La Mesa já divulgou o menu de janeiro de 2018 e está de dar água na boca… 

menu la mesa janeiro 2018

 

Fotos: Maria Hennies