Por Laura Souza

Aproveitando o clima ameno que diminuiu as temperaturas por aqui, Petrópolis estrela a série “Arredores do Rio”. O Rio Book passeou por lá e contou um pouco sobre sua história. Já fica uma dica: não é a toa que é chamada de Cidade Imperial!

Com o charme e o glamour que lhe é peculiar, Petrópolis também é conhecida como a “Cidade de Dom Pedro II”. Ganhou este título porque foi fundada justamente por iniciativa do Imperador. Seu nome, inclusive, significa “Cidade de Pedro”. O apelido de “Cidade Imperial” veio também por conta de Dom Pedro: era o destino preferido dele para seus momentos de lazer e descanso. Durante o verão, Petrópolis virava a capital do Império do Brasil, com a mudança de toda a corte. E nós entendemos o porquê: com o calor, nada melhor que um clima mais fresquinho (o famoso friozinho de serra!)!

Além do clima ameno, as paisagens belíssimas e os patrimônios culturais, Petrópolis é a cidade mais segura do estado do Rio e a sexta mais segura do Brasil. E apesar do clima de interior, é a maior e mais populosa cidade da Região Serrana Fluminense.

A Cidade de Pedro tem realmente muitos atrativos! As construções históricas, a gastronomia, a vegetação abundante e o movimentado mercado de comércio e serviços proporcionam um passeio agradável e inesquecível. A diversidade de circuitos e passeios atraem tanto os interessados em história e cultura, quanto os amantes da natureza, do artesanato, das compras e dos programas em família e em grupo de amigos.

A cultura de Petrópolis está diretamente ligada ao seu passado imperial (não é para menos, é claro!). Com teatros, museus e palácios que remetem a esse período da história do Brasil, algumas construções se destacam. Entre elas, o Museu Imperial, o Palácio de Cristal, o Quitandinha e o Museu Casa de Santos Dumont.

Museu Imperial
O Museu Imperial (ou Palácio Imperial) é um espaço histórico-temático, instalado no antigo Palácio de Verão do Imperador brasileiro. Os jardins remontam a época do Império e possuem árvores e flores de diversas regiões do mundo. Passeando por lá, é fácil sentir-se voltando no tempo e conhecer um pouco mais dos gostos de nosso Imperador.

museu imperial
Rua da Imperatriz, 220 – Centro, Petrópolis
(24) 2233-0300

Palácio de Cristal
Foi uma encomenda do Conde d’Eu para presentear a Princesa Isabel. A intenção dele era que ela pudesse cultivar suas hortaliças no espaço. A estrutura foi encomendada pelo Conde e construída na França, inspirada nos Palácios de Cristal de Londres e do Porto. Inaugurado em 1884, atualmente recebe exposições e eventos culturais e históricos da cidade.

palácio de cristal
Rua Alfredo Pachá, s/n – Centro, Petrópolis
(24) 2247-3721

Quitandinha
Construído em 1944 por Joaquim Rolla com a ambiciosa intenção de ser o maior hotel cassino da América Latina. Rolla foi bem-sucedido: até hoje sua construção é conhecida como o maior e mais legítimo palácio do Brasil e, ao lado do Colón (Argentina), como um dos maiores da América Latina. E teve seus muitos anos de glória! Por lá passaram personalidades como Orson Welles, Greta Garbo, Carmen Miranda, Walt Disney, Getúlio Vargas, Evita Perón, entre outros. Após a proibição dos jogos de azar no Brasil, o Quitandinha começou a decair. Toda aquela estrutura custava caro e sem o cassino para ajudar nas despesas não havia como sustentá-la.  Rolla passou a vender os apartamentos e o famoso hotel se tornou um condomínio. Por conta de sua ampla infraestrutura de lazer, que conta com parque privativo, paisagístico, piscinas, boliche, patinação no gelo, teatros, lago no formato do Brasil e restaurantes, hoje sua administração da área social e histórica é terceirizada pelo Serviço Social do Comércio (mais conhecido pela sigla Sesc).

petropolis

Avenida Joaquim Rolla, n º 2 – Petrópolis
(24) 2245-2020

Museu Casa de Santos Dumont
Conhecida também como “A Encantada” (por ser localizada na Rua do Encanto), a casa do “Pai da Aviação” parece ter saído de um desenho animado ou de um filme de fantasia. No meio de um local íngreme, a exótica construção possui muitas invenções de seu dono, como o único chuveiro com água quente do Brasil (daquela época, é claro!), a escada externa (onde se pode começar a subir somente com a perna direita) e a interna (que se pode subir somente com a perna esquerda). A arquitetura é mesmo inusitada: não existem divisórias entre os cômodos. Na época das áureas temporadas na cidade serrana, ninguém menos que Princesa Isabel convidou Santos Dumont para veranear em Petrópolis. Ele aceitou, mas decidiu construir uma casa que atendesse suas, digamos, necessidades. Hoje, o Museu Casa de Santos Dumont possui três andares e um observatório, além de conservar as invencionices de seu célebre dono.

santos dumont
Rua do Encanto, 22 – Jacintinho, Petrópolis

Itaipava: a “Búzios” serrana
O bairro de Petrópolis cresceu tanto que já é considerado um distrito. Porém, um distrito que se consagrou pelo charme, pela elegância e pelo requinte.

itaipava

O destino de inverno do carioca abriga não só condomínios de alto padrão, como hotéis de alto padrão (alguns até 5 estrelas) e pousadas com infraestrutura completa para a família toda. Itaipava concentra também clubes, pequenos shoppings com sofisticadas lojas e grifes e tornou-se um polo de compras de decoração e paisagismo. Concentra também restaurantes com a mais refinada gastronomia da Região Serrana. O famoso distrito é ocupado e frequentado pela high society carioca, quase funcionando como uma Cidade Imperial dos tempos modernos. Para ser mais glamoroso, só tendo um castelo… Ops, e não é que tem?

castelo-petropolis-1

Construído em 1920, o Castelo de Itaipava foi projetado pelo arquiteto Lucio Costa (sim, o mesmo autor do projeto da cidade de Brasília). Em seu desenho, Lucio foi totalmente fiel aos conceitos e padrões da arquitetura renascentista. A construção utilizou material totalmente europeu: desde os blocos de pedra até os vitrais. Porém, depois de alguns anos, a família que o utilizava como casa de veraneio parou de frequentar e o Castelo ficou abandonado. Uma incorporadora ouviu os constantes apelos das pessoas que admiravam a construção e abriu o espaço para eventos. Hoje, totalmente reformado, o Castelo de Itaipava conta com uma estrutura ainda melhor para os eventos que realiza, um hotel nos pavimentos superiores com uma incrível e elegante infraestrutura digna dos aposentos reais europeus, uma área de lazer voltada para o relaxamento de seus hóspedes e com o bistrô recentemente inaugurado.

Um verdadeiro refúgio em meio a serra carioca para aqueles que buscam um pouco mais de conforto e lazer.

Km 56, BR-040 – Itaipava, Petrópolis
(24) 2222-0900

Pousada da Alcobaça
Simplicidade e muito sabor nessa pousada que funciona num casarão do início do século passado,
cercado por jardins floridos. A vontade de ficar é grande, mas não é necessário se hospedar para ir
ao restaurante. A cozinha aposta na qualidade dos ingredientes e em clássicos como peixe ao molho de camarão, carne assada ao molho ferrugem, vitela ou lombo assados e pato com molho de laranja ou purê de aipim, tudo preparado em fogão a lenha. Uma delícia!

pousada da alcobaça - divulgação

Rua Agostinho Goulão, 298 – Corrêas – Petrópolis
(24) 2221-1240
www.pousadadaalcobaca.com.br

Parador Valencia
O valenciano Vicente Más Gonzalez, ou Paquito, aprendeu a cozinhar ajudando o pai a preparar
as refeições da família. Formado em arquitetura, projetou alguns restaurantes antes de abrir, por
insistência dos amigos, o próprio, que decorou com seu acervo de quadros de Portinari, Miró e
Antonio Dias. No cardápio, a fama é das paellas – a mais tradicional, valenciana, leva coelho, pato
e escargot. O restaurante serve também a paella negra (de lula, feita na própria tinta), a de peixe
e a de bacalhau, além de pratos como paletas de cordeiro com molho de Jerez, o cabrito Siete
Puertas e tapas diversas.

parador valencia - divulgação

Rua Celita de Oliveira Amaral, 189 – Itaipava – Petrópolis
(24) 2222-1250 / 2222-4767
www.valencia.com.br

Locanda della Mimosa
Pousada de grande charme, restaurante e motivo para ir a Itaipava nos fins de semana. Mas, como os caminhos da serra, o lugar teve uma trajetória sinuosa, com altos e baixos, com um
entra e sai de chefs. Os altos, na época de Danio Braga, em que a cozinha italiana e a pousada de seis quartos ganharam padrão e fama. Os baixos, quando as dificuldades surgiram e o chef italiano
cedeu as rédeas ao dramaturgo noveleiro Aguinaldo Silva, que acabou assinando um episódio
dessa história. Mas Danio está de volta, responsável pelos pratos e copos, renovando a cozinha,
um dos itens da reforma geral que fizeram na casa. Intocados o clássico brunch dos fins de semana
e a pizza dos domingos.

Alameda das Mimosas, 30 (acesso pela BR040, Km 71) – Itaipava – Petrópolis
(24) 2233-5450
www.locanda.com.br

locanda-della-mimosa-cozinha-25 - divulgação

 

Fotos: Divulgação.