Por Laura Souza

O Rio Book já falou sobre o Primeiro Circuito Carioca de Gim. O evento, que rola pelos bares e restaurantes do Rio até 26 de novembro, está agitando clientes – para provarem os mais variados drinques – e mixologistas – com suas ousadas criações que concorrem a prêmio e disputam o gosto dos mais exigentes paladares.

Falando em mixologista…

Para dar ainda mais água na boca e matar a sede de curiosidade, entrevistamos Jessica Sanchez. A mixologista já ganhou o prêmio de Bartender do Ano pelo Comer & Beber 2017/2018 da revista Veja e foi eleita a melhor da América Latina. Ela comanda o Vizinho Gastrobar, onde lançou sua carta autoral com um drinque que já levava gim: o Don’t kill my vibe é uma equilibrada e refrescante mistura de gim, Cynar (um bitter de alcachofra), Campari, soda de gengibre artesanal e espuma de gengibre. Agora, no circuito, ela marca presença com o Tiki, pero no mucho.

Tiki, pero no mucho
Tiki, pero no mucho

Rio Book: O que você achou da criação de um circuito de gim? Qual o impacto de uma ação como essa na cidade?
Jessica Sanchez: Acho que o Rio precisa de mais ações deste gênero. Estamos vivendo um boom da coquetelaria e ações que fomentem o consumo consciente atrelado a diversão, sem dúvida são bem-vindas. Além disso, ações que aproximem mais os bares da cidade acabam gerando um relacionamento importante para a noite carioca.

Rio Book: Qual foi sua inspiração para o Tiki, pero no mucho?
Jessica Sanchez: A ideia era criar algo tropical e refrescante para o verão, e temos uma base na coquetelaria chamada TIKI que traduz muito isso, mas usam base de rum e amêndoas, no geral. Então decidimos fazer algo parecido com um TIKI, mas um pouco diferente. Daí o nome do drink. Fizemos também uma brincadeira com a febre do gin e tônica, apresentando a tônica de uma forma diferente: xarope de quina. De certa forma você pode dizer que é um TIKI, é um Gin e Tônica, e ao mesmo tempo não é nada disso.

Rio Book: Essa paixão carioca pelo gim é novidade, não é? Como surgiu? A “modinha” passou e virou tendência?
Jessica Sanchez: Na verdade a paixão pelo gim é de longa data já. Muitos especularam que passaria mas a cada verão a moda continua. Não vai passar. O gim é versátil, é temperado, confere personalidade até mesmo para uma simples mistura com tônica. Simplificar e descomplicar é a nova moda.

Rio Book: Quando você abriu o Vizinho o gim já era peça importante da carta?
Jessica Sanchez: Com certeza! Pessoalmente sou fã de gim e com o consumo do destilado em alta, tivemos muitas boas novidades no mercado brasileiro. Novidades importadas e locais também. Sem dúvida que aproveitar essa oportunidade para encher a prateleira de bons rótulos foi uma brincadeira legal.

E você? Já escolheu quais drinques vai experimentar? Corre que ainda dá tempo de fazer um tour pelos estabelecimentos participantes e provar todos (com responsabilidade, é claro!). Um brinde ao gim!

VIZINHO – Tiki, pero no mucho (Jessica Sanchez), R$29
Gim Amázzoni, xarope de tônica, mel fermentado com gengibre, limão Taiti e angostura

Informações do Local:

Vogue Square – Av. das Américas, 8585, lojas 3 e 4 – Barra da Tijuca

97154-0841


De 3ª, 4ª e dom, das 18h à 0h / De 5ª a sábado, das 16h às 03h