Por Laura Souza

O Rio é inspirador. Suas praias, o verão, as belezas naturais e os cariocas inspiraram e inspiram poetas ao longo dos anos. E assim temos uma série de músicas que homenageiam cada pedaço da cidade, que podemos dizer, é mesmo maravilhosa.

Inspirado por essas canções e pelo que o Rio tem de melhor, o Rio Book preparou um roteiro para quem quer conhece-lo de uma maneira diferente: pelos olhares dos músicos, dos compositores, daqueles que enxergam no caminhar de uma menina um verdadeiro “doce balanço a caminho do mar”.

 

Garota de Ipanema

Em 1962, em uma tarde no Bar Veloso, Tom Jobim e Vinicius de Moraes, eternos apaixonados pelas mulheres, observavam o movimento privilegiado do pedaço quando viram Helô Pinheiro. Com 19 anos e uma beleza “cheia de graça”, a jovem entrou no bar para comprar cigarros e foi a inspiração para a mundialmente conhecida “Garota de Ipanema”. Tom compôs a música e Vinicius, a letra.

A música brasileira mais cantada e regravada em todo o mundo é a cara do Rio, da bossa nova e das meninas cariocas que encantam com seu doce balanço a caminho do mar.

Garota de Ipanema

Meu Lugar

Na voz de Arlindo Cruz, Madureira é o melhor lugar do mundo. É onde tem samba até de manhã, em cada esquina um pagode, um bar e cerveja para comemorar. O bairro do subúrbio do Rio abriga o maior mercadão popular da cidade e duas das maiores escolas de samba cariocas: o Império Serrano e a Portela.

Arlindo nos contagia de uma forma que dá vontade de cantar junto com ele em homenagem à terra do samba. Salve, salve, Madureira!

madureira3

Do Leme ao Pontal

A expressão imortalizada na voz de Tim Maia resume toda a extensão da orla carioca. “Do Leme ao Pontal” continua sendo uma ode ao Rio e suas praias. E, realmente, não há nada igual!

Gravada em 1986, a canção imortalizou algumas praias dos bairros do litoral do Rio de Janeiro no clássico verso: “Flamengo, Botafogo, Urca, Praia Vermelha!”. E quem não emenda na letra “Tomo guaraná, suco de cajú, goiabada para sobremesa”? Não há quem não levante para dançar ou cante junto com Tim quando as primeiras notas de “Do Leme ao Pontal” começam a tocar.

Do Leme Ao Pontal 2

Copacabana

O famoso apelido de “Princesinha do Mar” veio dessa canção, composta por Alberto Ribeiro e João de Barro (mais conhecido como Braguinha) na década de 1930. Porém, somente em 1946 “Copacabana” foi gravada pela primeira vez na voz de Dick Farney.

A música que pode ser considerada um “clássico dos clássicos” para homenagear a praia que é símbolo da Zona Sul carioca foi gravada inúmeras vezes por artistas brasileiros e estrangeiros. E apesar de ter sido composta há quase 90 anos, seus versos continuam verdadeiros: até existem outras praias por aí, mas nenhuma possui o encanto de Copacabana.

Praia_de_Copacabana_-_Rio_de_Janeiro,_Brasil

Feitiço da Vila

Em Vila Isabel, na terra sagrada de Noel Rosa e Martinho da Vila, as cifras de “Feitiço da Vila” decoram as calçadas da avenida 28 de Setembro. O bairro foi cantado pelos dois sambistas, mas essa canção é, especificamente, a expressão máxima do amor de Noel pelo local em que foi criado, na Zona Norte do Rio.

O samba de Noel Rosa exalta os moradores quando diz que “Quem nasce lá na Vila nem sequer vacila na hora de abraçar o samba” e faz até mesmo uma referência à Política do Café com Leite nos versos “São Paulo dá café, Minas dá leite e a Vila Isabel dá samba”.

Noel Rosa na Vila

Como não poderia deixar de ser, uma playlist especial para ouvir antes, durante ou depois da leitura do nosso roteiro de hoje. É apertar o play e desbravar um Rio lindo, poético e musical.