Por Laura Souza

No Rio de Janeiro tudo (ou quase tudo!) envolve sol, mar e areia. Copacabana, Barra, Leblon, Pepê, Grumari, Vermelha, São Conrado, Joatinga, Arpoador, Diabo, Leme, Pepino,… As praias são protagonistas na Cidade Maravilhosa. Mas tem um local em particular que se diferencia de todas as outras praias: o Posto Nove.

posto 9

 

Apesar de estar localizado na Praia de Ipanema, o Nove (como é chamado pelos íntimos) acabou se tornando um lugar à parte da conhecida praia. Famoso por seus frequentadores – gente jovem, bonita, de pele dourada – e pelas atemporais “garotas de Ipanema” que desfilam pela orla de pedras pretas e brancas, o local é um atrativo ponto turístico do Rio, um lugar que tem a cara dos cariocas.

“O Posto Nove está para a praia assim como a praia está para a cidade. A praia é o lazer da cidade. O Nove é a onda da praia. A praia é o corpo na cidade. O Nove é a nudez do corpo. A praia é a primavera da cidade. No Nove, o verão se espraia. A praia aquece a cidade. O Nove queima, incendeia. A cidade bebe. O Nove se embriaga. Vocifera e vai embora”. Com essas palavras, o letrista e poeta Chacal descreveu o Posto Nove.

Nos primórdios do Nove, a maioria dos frequentadores eram artistas, atores, atrizes, cantores, poetas… Essa galera combinava muito com o local. Tinham, assim como Ipanema, vocação para o desacato ao pudor, à moral e aos bons costumes da sociedade tradicional. Ou eram simplesmente mais livres de tabus e preconceitos? Topless, fio-dental, biquíni asa-delta, tangas… Os ratos do Posto Nove eram, segundo Chacal, “espiritualmente pelados”.

Eram tantos acontecimentos que causavam uma verdadeira “celeuma” na cidade inteira. Todos tomavam conhecimento do que se passava no Nove. E não é de se admirar que Leila Diniz fosse frequentadora assídua do local. E foi lá que a bela marcou a história dos anos 1960 no Rio quando apareceu grávida e de biquíni.

leila diniz

Em 1970 foi a vez do famoso píer fazer história. A construção levantou o fundo do mar, criando um banco de areia que permitia ondas perfeitas. E lá foram os turistas para o Posto 9! A areia molhada que vinha do fundo do mar formava, na areia seca, verdadeiras dunas. Era lá que Gal Costa reinava absoluta. Cazuza, Baby Consuelo, Caetano e Gil também estavam sempre por lá. E assim o Rio viu surgir a primeira praia hippie carioca.

18.02.1973 - Sebastião Marinho - RI - Banhistas no Pier de Ipanema. Negativo 102311. Fotograma nº 6A. 18.02.1973 -  Sebastião Marinho - Ipanema beach, at Rio de Janeiro.  *** Local Caption *** Banco de Imagens

Hoje, depois de tantos marcos na história da cultura carioca, o Posto Nove mantém a tradição de um belíssimo pôr do sol. O clima herdado de anos de transgressões e quebra de paradigmas é de descontração e liberdade.  Atualmente, o local recebe banhistas de todas as tribos e idades, se afastando um pouco do universo hippie de anos atrás. Porém, segue conservando sua aura, digamos, mítica.

caetano

O charmoso e libertário pedaço da praia de Ipanema hoje é um ponto de ebulição da cultura alternativa. É muito mais que uma simples faixa de areia. É comum ouvir de seus frequentadores que não trocam o local por nada nesse mundo. E será que vale a pena? A resposta é simples: basta ir até a Avenida Vieira Souto, entre as ruas Joana Angélica e Vinícius de Moraes. Mas cuidado: você pode sentir uma vontade incontrolável de aplaudir o pôr do sol!